Educação Musical – Alguns desafios

Matéria publicada pela revista “Escola Pública” (atual Revista Educação) sobre formação de professores e alunos para a compreensão musical. As falas dos entrevistados são importantes para pensarmos os desafios da educação musical na escola. Participaram da matéria o educador Pedro Paulo Salles (ECA-USP), Marcio Scialis (Pedagogo e multi-instrumentista), Cíntia Morato (formadora no curso Conheça a Orquestra-Osesp) e Ariadnei Cruz (Prof. de educação física).

Entre os tantos desafios da educação musical na escola, é necessário estar sensível a este: Como formar professores e alunos para a compreensão musical?

Música é entretenimento?

….aquela idéia de que a música é apenas entretenimento ou distração, por exemplo, leva a um tipo de trabalho de música na escola em que a música fica em segundo plano. Para dizer o mínimo né! Ela (educação musical) fica como um “truque” assim… para distrair um aluno ou para ajudar em alguma outra atividade. Então é muito importante que a música seja encarada em si, também. Além dela poder ser um elemento integrador que vai se articular com outras linguagens, mas é muito importante que ela seja encarada enquanto linguagem também (fala de Pedro Paulo Salles).

Musicalização!

O intuito é que nesse primeiro momento, na Educação Infantil e Fundamental, não haja uma criança que vire profissional da música, mas que tenha as noções elementares da música e que esteja alfabetizada musicalmente. Os instrumentos musicais são ferramentas de musicalização. Então a flauta doce é uma ferramenta de musicalização assim como a bandinha rítmica, o xilofone, a gaita, a escaleta ou até mesmo a voz. O instrumento de musicalização é um plus, o que interessa aqui é que dentro desse programa a criança esteja devidamente musicalizada (fala de Marcio Scialis).

Qualidade do ensino

De qualquer forma, eu acho que as escolas, os gestores e mesmo os professores deveriam lutar pela qualidade do ensino de música. Isso implica em uma sala adequada… sala adequada o que seria? uma sala com espaço que não fossem só mesas, cadeiras e carteiras. E que tivesse a possibilidade também de se fazer som. Muitas vezes o professor de música, ou aquele que trabalha com música é criticado por que faz barulho (risos!) Ora, como fazer músicas sem barulho (fala de Pedro Paulo Salles).

Grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *